Atualmente com a grande variedade de ofertas no mercado empreendedor, não é difícil ver profissionais liberais e autônomos procurando cada vez mais estruturar o seu negócio. No entanto, a alta carga tributária no país gera medo e insegurança a todos os profissionais que anseiam em abrir um negócio próprio.

Esse é o caso dos dentistas que desejam abrir um consultório odontológico próprio para atendimento aos seus clientes. Ao pensarem em empreender logo se questionam: Trabalhar de modo Autônomo ou Pessoa Jurídica? Em qual tipo de regime tributário terei maiores benefícios?

Se esta é sua dúvida, então este post foi preparado especialmente para você, de modo a esclarecer melhor o assunto e te auxiliar neste momento tão importante de sua carreira empreendedora.

Vamos lá?

Iniciando os negócios: a importância do Planejamento Tributário

Muitos dentistas buscam meios de gerir o próprio negócio. Porém, a maior dúvida na hora de empreender está exatamente na carga tributária incidente sobre a prestação de seus serviços e como e quanto serão as suas contribuições mensais junto ao Fisco.

Isso porque apenas uma decisão errada neste momento tão importante para o empreendedor, pode trazer prejuízos em pouco tempo e até mesmo inviabilizar o seu negócio.

Com isso, é muito importante para o profissional saber distinguir qual o melhor meio de tributação para o seu negócio, através do indispensável apoio de uma assessoria contábil, que vai auxiliá-lo a realizar um bom Planejamento Tributário para o seu consultório odontológico.

O profissional autônomo

Para o dentista que atua como profissional autônomo ter uma maior lucratividade, é preciso manter-se sempre regularizado junto à Receita Federal, andando sempre em dia com as obrigações fiscais, usando a tabela de Imposto de Renda Pessoa Física.

Através do auxílio contábil, o dentista precisa manter um LIVRO CAIXA sempre atualizado, onde todas as despesas que são dedutíveis serão registrados e o lucro tributável também será diminuído.

 Todas as despesas devem ser levadas em consideração, como por exemplo: 

  • Folha de Pagamentos;
  • Aluguel;
  • Conta de energia elétrica;
  • Água;
  • Telefone;
  • INSS,
  • materiais de escritório, entre muitos outros.

Assim, o imposto devido será calculado sobre todo o faturamento do período retirando os custos e apurando o lucro a ser tributado.

Abrindo um consultório odontológico

Ao optar por abrir um consultório odontológico, o profissional deve escolher entre os regimes tributários existentes disponíveis para este tipo de atividade.

No Brasil, atualmente são 3 os regimes tributários existentes: O Lucro Real, o Lucro Presumido e o Simples Nacional.

  • Lucro Real– neste tipo de regime, a empresa deve antecipar os tributos de modo mensal, ou ainda trimestral. Esse tipo de regime é um dos mais custosos para as empresas, se tornando inviável para organizações de pequeno e médio porte. Neste regime, todos os valores de faturamento são minuciosamente apurados e tributados.
  • Lucro Presumido– Muitos dentistas têm suas clínicas odontológicas enquadradas no Lucro Presumido. O percentual de tributação para estas empresas é de 13,33% sobre seu faturamento, já inclusos os impostos federais e municipais. Estes é o percentual de base para o Distrito Federal, porém, tais percentuais podem sofrer variações de acordo com o município sede onde a clínica atua. Além disso, as clínicas odontológicas que possuem funcionários, estão sujeitas a contribuição do INSS Patronal sobre o valor bruto da folha de pagamento. O percentual desta contribuição é de 27,8%.
  • Simples Nacional– A LC 147/14 permitiu a inclusão de diversas empresas prestadoras de serviços no Simples Nacional, dentre elas as clínicas médicas e odontológicas. Porém, o percentual a ser recolhido pelos consultórios odontológicos neste regime de tributação é maior do que os valores recolhidos se a clínica fosse optante pelo Lucro Presumido, pois esta atividade está enquadrada na LC 123/06 em sua tabela VI .

Isso quer dizer que, os percentuais de recolhimento sobre o faturamento para quem está sujeito a esta tabela são:

16,93% – faturamento médio de R$ 180.000,00 anuais (média de R$15.000,00/Mês)

22,45 % – faturamento médio de R$ 3.420.000,01 até R$ 3.600.000.00 anuais (média de R$ 300.000,00/Mês)

O que deve ser levado em consideração, principalmente por consultórios que tem funcionários, é que o recolhimento do INSS Patronal está Incluso nos percentuais do Simples Nacional referidos acima. Isso quer dizer que a empresa economiza os 27,8% que teria que pagar sobre o valor bruto da Folha ao INSS.

PROCURE SEMPRE UM PROFISSIONAL CONTÁBIL

Mesmo aparentemente sendo vantajoso optar por algum tipo específico de tributação, de acordo com o seu negócio, projeção de crescimento, sociedade, faturamento, enfim, é muito importante colocar todas as particularidades do seu empreendimento no papel e procurar um profissional contábil para ser o seu maior aliado nessa empreitada.

Isso porque pode haver nuances no seu empreendimento que torne mais vantajoso a escolha por determinado tipo de regime tributário do que o outro, aparentemente melhor à primeira vista.

Contar sempre com um profissional especializado em contabilidade, com certeza trará maior segurança para o seu negócio e menores riscos para a sua empresa.

Não descuide do seu empreendimento odontológico antes mesmo de iniciar os negócios, planejar é essencial para a estruturação do mesmo.

Por isso, conte sempre com um contador!

Agora que você entende melhor sobre este assunto, entre em contato com um dos nossos especialistas!

Fale Conosco

Ligue para nós
Responda para Validar: 8 + 16 =